Quarta-feira, 31 de Maio de 2006

Contributo

Era uma vez um grãozinho de areia que vivia no deserto no meio de milhões e milhões de outros grãozinhos de areia. Um dia, voltou-se para os amigos e disse-lhes:
- Eu hei-de sair deste deserto!
E os amigos estoiraram à gargalhada e a fazer pouco dele.
- Tu não passas de um grão de areia. A tua vida é no deserto. Nunca hás-de sair daqui!
E ele insistia.
- Eu digo-vos que hei-de sair deste deserto!
E os amigos rebentavam de novo à gargalhada e a fazer pouco dele.
- Tu não passas de um grão de areia!
Repetiam-lhe.
Até que, de repente, o vento começou a soprar, muito forte. Levantou-se uma tempestade no deserto.
Todos os grãozinhos de areia deram as mãos uns aos outros e juntaram-se todos muito juntinhos papa não voar com o vento.
Foi então que o nosso grãozinho aproveitou para largar as mãos de todos os outros e se deixar levar pelo vento. Levantou voo e voou, voou, voou durante horas.
Quando o vento deixou de soprar, ele já estava sobre as ondas do mar. Caiu . Foi para o fundo dos oceanos. Aterrou numa ostra e transformou-se numa pérola.

Aquilo em que a nossa vida se transforma depende sempre de nós e não dos outros. Depende do modo como pensamos, como sentimos, como agimos. ( ... lá estou eu a filosofar, né?!...)
Para mim, a verdadeira ajuda que cada um pode dar reside no seu próprio contributo.
O meu contributo e sobretudo o modo de o exercer têm a ver com a minha missão por cá... nesta terra, com o que eu cá vim fazer.
E ainda não encontrei uma resposta convincente. ando à procura ... ( ... uíí, e se demora a encontrar a resposta...).
Há quem não saiba de todo o que cá anda a fazer, outros que têm uma pequena ideia, outros que acham que perguntar-se isso é uma perda de tempo. 
A mim, parece-me que todos nós, em tudo o que faremos estaremos a contribuir. Talvez dum modo inconsciente, mas estarão a contribuir. ( eh,eh...até a escrever posts eu contribuo ).
Aquele que rouba, aquele que mata, e até mesmo aquele que se droga... estão contribuindo á sua maneira, durante mais ou menos tempo, de acordo com o modo que lhes pareceu mais adequado no momento. E todos eles podem vir provavelmente a aprender a contribuir de um modo mais consciente. ( ... isto é sério...).
Não julgar os outros e não lhes atirar a primeira pedra deveria, a meu ver, ser o foco de atenção de todos os individuos. Por aí poderia começar uma contribuição atenta, consciente.

Há momentos  em que nos queixamos das atitudes dos nossos governantes, de políticos, ou mesmo de vizinhos ou amigos, desejando que alguns tipos de contributo fossem mais "adequados", mais humanos... é verdade.
Mas também é verdade que não deve ser fácil governar. E não menos verdade que os governantes são necessários. Contribuem á sua maneira com uma intenção que é a sua e que lhe parece acertada naquele momento.
                    
 Acho importante lembrar que por detrás de toda a atitude está sempre uma intenção positiva.
O político , o pai de familia , o professor , o jovem violento , o assasino , o agressivo , o ladrão  . . .  todos estão convencidos de que o que estão a fazer está perfeitamente adequado ao momento e a intenção deles é sempre positiva. Tudo depende do foco de atenção.
Ás vezes, temos vontade de atirar mais do que uma pedra a certas pessoas pelos comportamentos que têm. Ou uma rocha, até!!
E, no fundo no fundo, fazêmo-lo porque essas pessoas não viveram o seu contributo do modo que nos parecia o mais correcto.
Não admitimos nem queremos admitir pessoas com um foco de atenção diferente do nosso.
O que diz "matem-no!" é tão intransigente como aquele que já matou. (... para quê abrir a boca?!...) 
É difícil entender isto tudo, embora possa ter uma pequena ideia...
Mas aceito que tudo acontece fruto da intenção e da convicção de alguém ou de alguns. sempre!!
Oiço humildes humanos e leio coisas de humildes cientistas, humildes físicos, e outros humildes discutir e batalhar por ter razão sobre como funciona a ordem suprema, sobre como começou o Universo, para onde irá, de onde veio, sobre quem é bom, quem á mau, porque é assim, porque é assado, sobre como cada um de nós tem de contribuir... uFFF!! Popem-me!!
Eu não acompanho essas conversas. São demasiado avançadas para mim. Não sei nada a acho que ninguém sabe. Parece-me que ninguém pode explicar, só acreditar. E no que quiser! 
 Mas porque será que cada um quer sempre impingir o seu credo aos outros? Porquêêê????
O contributo ( para não fugir do tema deste post...) parte sempre de nós, individuos.
Bem, mas este meu post está um cadito longo. Para terminar, só quero dar a minha opinião pessoal:
 " - O sentido que quero dar à vida é ser livre para Contribuir e Amar. Toda a minha saúde mental e física sempre será afectada positiva ou negativamente pela atenção que eu puser na minha contribuição. "
Acabei...  contribui tu também... eh,eh ...
                               
Estou a sentir-me: a contribuir...
publicado por sandraisabel às 13:48
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Activestresss a 31 de Maio de 2006 às 21:27
... comeste alguma coisa que te fez mal??? ... ou estás com o período????
De mamã pintainha a 1 de Junho de 2006 às 00:14
LOOOOOL, esse comentario da active stress tá demais ehehehehe.

Bem miga fiquei de boca aberta, nalgumas coisas concordo contigo mas o barulho que a minha vizinha faz é propositado porque a gaja não respeita ninguem não tou a ver o contributo dela nisso lool

bijukas amiga filosofa lool

Comentar post

.Sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Desabafos Recentes

. Para ti, Rosa.

. Talvez uma despedida

. Fé...

. 13 a 25 OUTUBRO

. Encontro bloguista

. A pressa...

. Yves Rocher

. xiXíSS!!!

. Um abraço...

. Férias até 6 Setembro!!!

.Dossier

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

.Favoritos

. Avaliação

. About ME

. Análises

. Pegadas na Areia

. Carocel

. Manias

. Fralda

.Gosto de ler

blogs SAPO

.subscrever feeds